Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

En Español


Bibliografia passiva (R-Z)

Quinta-feira, 15.09.11

RATTNER, JAIR, «Saramago: novo livro questiona Deus», Folha de S. Paulo, Seminário, 31 de Outubro de 1991.

REBELO, LUÍS DE SOUSA, «José Saramago — O Ano da Morte de Ricardo Reis», Colóquio/Letras, n.o 88, Nov. 1985, pp. 144-148.

— «Os rumos da ficção de José Saramago», préfacio às 2.a e 3.a edições de Manual de Pintura e Caligrafia, de José Saramago. Lisboa: Caminho, 1984 e 1985.

— «A Jangada de Pedra ou os possíveis da História», pósfacio à 2.a edição d’A Jangada de Pedra, de José Saramago. Lisboa: Caminho, 1986, pp. 333-349.

— «A consciência da História na ficção de José Saramago», Vértice, II série, n.o52, Janeiro-Fevereiro de 1993, pp. 29-38.

— «José Saramago: o realismo maravilhoso». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 49-62.

 
REBELLO, LUÍS FRANCISCO, «Para uma leitura de Memorial do Convento», o diário, 6 de Março de 1983.

REIS, CARLOS, «Memorial do convento e a emergência da História», Coimbra, Revista Critica de Ciências Sociais, n.os 18/19/20, Fevereiro de 1986, pp. 91-104.

— Romance e história depois da revolução: José Saramago e a ficção portuguesa contemporânea. In Encontro de Professores Universitários Brasileiros de Literatura portuguesa, XIV. Porto Alegre, 1992. Anais... Porto Alegre, 1994, pp. 169-18 1. Rep. in AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 23-36.

— «Contador dos dias», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 671, 3 de Julho de 1996.

— «Terra do pecado, 50 anos depois. Arqueologia de um romance», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, p. 15.

— «Cinco dias em Estocolmo». In AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 15-23.

 

— Leitura sobre «Cadeira», "Conto Português (séculos XIX - XXI) - Antologia crítica", volume 3, Coordenação de Maria Isabel Rocheta e Serafina Martins. Edições Caixotim. 2011.

REMÉDIOS, MARIA LUÍZA RIETZEL, «Sedução e prazer no romance de José Saramago», Belo Horizonte, Cadernos Cespus de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 42-49.

RESTREPO, LAURA, «Esa cosa que somos: de lo humano en Saramago», Carátula, revista electrónica cultural centro-americana, Julho de 2007.

RIDING, ALAN, «Prémio Nobel atribuído a romancista português. A “Realidade ilusória” de Saramago é louvada», Herald Tribune, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 63-64.

 

RINGEL, MIRIAM. (artigo sobre Ensaio sobre a Cegueira). 2001. Israel. pp. 40-45.

RISQUES, ISABEL, «Perfil: José Saramago. Deus ainda se vai arrepender», O Jornal, n.o 872, 8 de Novembro de 1991, p. 33.

RIVAS, MANUEL, «Obrigado Vaticano», El País, 10 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 30.

RIZZANTE, MASSIMO, «L’avenglement ou les voix», Paris, L’Atelier duRoman, n.o 13, 1987-1988.

 

— «Le secret, le dialogue, les vivants, les morts - Sur Tout les noms de José Saramago». Atelier du Roman. Juin 1999. França, Paris. pp. 108-121.

ROCHA, CLARA, «O palácio do Rei-Pavão», Diário de Notícias, n.o 41, 9 de Novembro de 1983, p. V.

— «Saramago e a ficção sobre a ficção», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 13 de Novembro de 1984.

RODRIGUES, MIGUEL URBANO, «Mafra, a explicação de Portugal e o Memorial de Saramago», o 21diário, n.o 2486, supl. cultural, 31 de Agosto de 1983, p. 3.

RODRIGUES, URBANO TAVARES, «Um romance realista e fabuloso», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 52, 15 de Fevereiro de1 983.

— “Saramago e os Caminhos da Humanidade”, em O Texto sobre o Texto – uma visão sobre literatura portuguesa contemporânea, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001, pp. 231-232.

— “José Saramago e o Alentejo – O mundo da luz e da treva”, em O Texto sobre o Texto – uma visão sobre literatura portuguesa contemporânea, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp. 233-238.

RODRÍGUEZ-IBAÑEZ, JOSÉ E., «Saramago, Scorsese y Jesuscristo», El País, 16 de Março de 1993.

S/N, «Saramago no labirinto da história», Helsínquia, Hufvudstadsbladet, 9 de Outubro de 1998. Repr. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 55-57.

S/N, «O fantástico é apenas aquilo que não se sabe», A Capital, 12 de Novembro de 1986, p. 9.

SALADRIGAS, ROBERT, «Evangelio humano desde el respeto», La Vanguardia, 26 de Junho de 1992, Libros, p. 3.

SALLES, ALAIN, «Les cantates de Saramago. Quasi object», Le Monde, supl. Livres/idées, 29 de Junho de 1990, p. 35.

— «L’ile imaginaire de Saramago. Le radeau de pierre», Le Monde, 30 de Março de 1990, p. 17.

SAMPAIO, ERNESTO, «A realidade sempre renovada como um mistério redivivo», Diário de Lisboa, 19 de Abril de 1989, p. 22.

SANTOS, BEJA, «Coisas de José Saramago bloguer», Vértice, n.o 146, II série, Maio-Junho de 2009.

SARMENTO, JOAQUIM, “Revisitando Saramago”, em Fragmentos e Paixões, prefácio de Manuel Alegre. Lamego, Tipografia Minerva, 2006, pp. 136-138.

— “Saramago: Príncipe ou Soldado?”, em Fragmentos e Paixões. Lamego, prefácio de Manuel Alegre, Tipografia Minerva, 2006, pp.176-179.

SCALZO, FERNANDA, «Saramago apresenta seu Deus mesquinho», Folha de SãoPaulo, supl. Letras, 2 de Novembro de 1991.

SCHMITT, HANS-JÜRGEN, «Der maler-erzähler in der mangel der wörter», Süddeutsche Zeitung, supl. Literatur, n.o 76, 31 de Março de 1990.

— «Wenn den menschen die augen aufgehen», Süddeutsche Zeitung, 9 de Outubro de 1998.

 

SCHMIDT, SIMONE PEREIRA. «"No meu caso, o alvo é Deus": paródia e humanismo no Evangelho de Saramago». Discursos - Estudos de língua e cultura portuguesa. nº7. Maio 1994. Universidade Aberta. Lisboa. pp. 63-79.


SEABRA, AUGUSTO, «O Ano da Morte de Ricardo Reis», Expresso, 10 de Novembro de 1984.

SEGOLIN, FERNANDO, «O evangelho às avessas de Saramago ou o divino demasiado humano ou o Deus que não sabe o que faz», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 12-20.

SEIXO, MARIA ALZIRA, «José Saramago: Objecto Quase», Colóquio/Letras, n.o49, Maio de 1979, pp. 77-79.

— «Alteridade e auto-referencialidade no romance português de hoje», «Dez anos de ficção em Portugal», «Escrever a terra — sobre a inscrição do espaço ao romance português contemporâneo», «Perspectiva da ficção portuguesa contemporânea» e «Objecto Quase». In A Palavra do Romance. Lisboa: Horizonte, 1986.

— «Memorial do convento: entre a pedra e o som», publicado como parte do estudo introdutório da edição de Memorial do Convento. Lisboa: Círculo de Leitores, 1988.

— «História do Cerco de Lisboa ou a respiração da sombra», Colóquio/Letras, n.o 109, Maio-Junho de 1989, pp. 33-40.

— «Modernités insaisissables — remarques sur la fiction portugaise contemporaine», Dedalus, n.o 1, Dezembro de 1991, pp. 303-313.

— «Le fait de la fiction en littérature: Ricardo Reis et Pessoa chez Saramago», Dedalus, n.o 2, Dezembro de 1992, pp. 85-93.

— «O fantástico da história ou as vacilações da representação», O Fantástico na Arte Contemporânea, Acarte, Fundação Gulbenkian, 1992.

— «Narrativa e ficção: problemas de tempo e espaço na literatura europeia do pós-modernismo», Colóquio/Letras, n.o 134, Outubro-Dezembro de 1994, pp. 101 114.

— «L’imagination du voyage: Woolf, Michaux, Saramago. Enquêtes périodologiques», Actas dei IX Simposio de la Sociedad Española de Literatura general y Comparada, II. Saragoça: SELGYC, 1994.

— «Poétique de la ville: Robbe-Grillet, Calvino et Saramago», La Littérature et la Ville. Lisboa: Associação Internacional dos Críticos Litérarios, 1995.

— «Crónica sobre um livro anunciado: Ensaio sobre a cegueira», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 652, 11 de Outubro de 1995, pp. 11-12.

— «Paixão e manta dos diários», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o642, 24 de Maio de 1995, pp. 24-25.

— «Os espelhos virados por dentro: configuração narrativa do espaço e do imaginário em Ensaio sobre a Cegueira. In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996, pp. 191-210.

— «Saramago e o tempo da ficção», comunicação apresentada ao colóquio «Literatura e história — Três vozes de expressão portuguesa — José Saramago, Hélder Macedo e Orlanda Amarílis», realizado na Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, em 11 de Abril de 1997. Publicado, com alterações, no Jornal de Letras, Artes e Ideias, 23 Abril de 1997, pp. 22-23. Rep. in AAVV, Saramago, Braga, 1999, pp. 77-93.

— «O caso da mulher desconhecida», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 705, 22 de Outubro de 1997, pp. 25-26.

— «Lugar e deslocação em José Saramago» (inédito (?)).

SEMINARIO ITALO -PORTOGRESE, Viaggio intorno al convento di Mafra: dal Memoriale del Convento di José Saramago alla Blimunda di Azio Corghi. (a cura) di Piero Ceccucci, 1 a ed., Milano: Guerini, 1991.

SEMANA DE AUTORES SOBRE JOSÉ SARAMAGO, Madrid: Ediciones de Cultura Hispánica, Agencia Española de Cooperacíon Internacional, 1993.

SEPÚLVEDA, Torcato, «Trágedia e revolução», Público, supl. Leituras, 9 de Abril de 1993.

— «“Este Narciso que hoje se contempla...”», Público, supl. Leituras, 16 de Abril de 1994.

— «Blimunda, a feiticeira, voltou», Público, supl. Livros, 13 de Abril de 1996, p. 7. 23

SERANI, UGO, «Un romanzo microstorico», L’Indice, n.o 5, Maggio 1992, p. 17.

SERRA, UMBERTO, «I bagliori della storia», Il Mattino, 30 de Julho de 1984.

SHINA, KATERINA, «José Saramago, o compadecido...», (Grécia), I Kathimerini, 11 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 59-61.

SILVA, CARLOS H. DO C., «Reflexão sobre o romance o Evangelho segundo Jesus Cristo ou o Kakangélion de Saramago», Humanística e Teologia, vol. 13, n.o 1, 1992, pp. 73-8 1.

SILVA, REGINA CÉLIA, «Ironia e fingimento em O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago». In Duarte, Lélia Parreira, Ironia e Humor na Literatura. (Cadernos de Pesquisa n.o 15). Belo Horizonte: FALE/ /UFMG, 1994, pp. 7-19.

SILVA, RODRIGUES DA, «A Ibéria em busca dum destino», Diário Popular, supl. cultural, 11 de Novembro de 1986, p. 19.

SILVA, TERESA CRISTINA CERDEIRA DA, «José Saramago — a ficção reinventa a História», Colóquio/Letras, n.o 120, Abril-Junho de 1991, pp. 174-178.

— «O Quinto Evangelista ou da Tigela ao Graal», Vértice, II série, n.o52, 1993, pp. 17-21.

— «O Evangelho segundo Jesus Cristo ou a consagração do sacrilégio», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 50-60. Rep. in AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 1 63-176.

— «História e memória cultural: José Saramago e a sedução camoniana», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 145-149.

— «Saramago e Redol: referência e reverência». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 37-47.

SILVEIRA, JORGE FERNANDES DA, «Saramago por exemplos», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 2 1-25.

— «O bom romance português», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 148, 7 de Maio de 1985, pp. 3-4.

SIMAS-ALMEIDA, LEONOR, «Do Rio a Lisboa com Saramago e Ricardo Reis», Porto Alegre, Letras de Hoje, vol. 25, n.o 3, Setembro de 1990, pp. 75-84.

SIMÕES, MANUEL, «Saramago evangelista do ressentimento», Revista Brotéria, vol. 134, n.o 4, Abril de 1992, pp. 407-421.

— «A Europa vista de Portugal», Revista Brotéria, vol. 135, n.o 5, Novembro de 1992, pp. 363-385.

— «Saramago, “Em nome de Deus”», Revista Brotéria, vol. 138, n.o 2, Fevereiro de 1994, pp. 137-148.

— «Formas de cultura popular e irradiação semântica em Levantado do Chão». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 73-81.

SOUSA, HÉLDER, «Um escritor que ficará na história da literatura: peregrinação exemplar pelo exterior de um burguês», A Luta, n.o 625, 23 de Setembro de 1977, p. 15.

— «Quando o exercício da escrita é incompatível com a posição partidária», A Luta, n.o 626, 24 de Setembro de 1977, p. 13.

STAVANS, ILAN, «A fisherof men», The Nation, 16 de Maio de 1994.

STERN, IRWIN, «José Saramago: Memorial do Convento», Oklahoma, World Literature Today, Inverno de 1984.

— «José Saramago: O Ano da Morte de Ricardo Reis», Oklahoma, World Literature Today, Primavera de 1986.

SUÑEN, LUÍS, «José Saramago: historia, ficción», Madrid, El Urogallo, Junho de 1986, pp. 72-74.

TABUCCHI, ANTONIO, «Arriva un personaggio che ha perso l’autore», La Repubblica, 8 de Fevereiro de 1986.

— «Frati, roghi e mongolfiere», La Repubblica, 15 [23?] de Junho de 1984.

TAVANI, GIUSEPPE, «Viagem abusiva de um filólogo nos universos saramaguianos», Vértice, II série, n.o 52, Jan./Fev. de 1993, pp. 5-12.

TAVARES, JOSÉ FERNANDO, «O tempo de José Saramago», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, p. 2.

— «Justificação e louvor da obra de José Saramago», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, pp. 3-4.

TEIXEIRA, Pe. GERALDO MAGELA, «Saramago um cristão inconfesso», Belo Horizonte, Cadernos Cespuc de Pesquisa PUC Minas, série ensaios, n.o 4, Janeiro 1999, pp. 7-11.

THOMAS, CRISTIAN, «Jangada das ficções. José Saramago recebe o Prémio Nobel de Literatura», Frankfurter Rundschau, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 47-49.

THORAU, HENRY, «Der name des klosters», Die Zeit, n.o 5, 23 de Janeiro de 1987.

TOLEDO, ROBERTO POMPEU DE, «Cristo e o Deus cruel», Veja, 6 de Novembro de 1991, pp. 90-96.

— «Atenção, obra-prima», Jornal do Brasil, supl. idéias, n.o 107, 15 de Outubro de 1988, pp. 6-9.

 

VACCARO, LAURA, Los premios Nobel de Literatura. Espanha, Sevilha, Universidad de Sevilla, 2007, pp. 429-431.

VALE, FRANCISCO, «Memorial do Convento: era uma vez um rei devoto um padre que queria voar e uma mulher com poderes», O Jornal, supl., n.o 414, 28 de Janeiro de 1983, pp. 12-13.

VALENTE, VASCO PULIDO, «O Evangelho segundo Saramago», Kapa, n.o 16, Janeiro, 1992, pp. 71-78.

VASCONCELOS, HELENA, «Todo o orgulho é vão no tempo», Elle, n.o 123, Dezembro de 1998, pp. 78-83.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «A(s) história(s) de um grande romance», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 354, 18 de Abril de 1989, p. 9.

— «Enfim, um Nobel em português», Visão, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, p. 25.

VECCHI, ROBERTO, «La città invisibili di Levantado do chão». In AAVV, José Saramago. II bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 83-100.

VENÂNCIO, FERNANDO, «Que farei com este Cerco?», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 368, 25 de Julho de 1989, pp. 6-8.

— «Moço promissor», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, pp. 14-15.

— «Os primeiros leitores de Saramago», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.os9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 159-162. Revisto in Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 644, 21 de Junho de 1995, p. 28.

— «Os primeiros leitores de Saramago (conclusão): A história em flagrante», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 5 de Julho de 1995, p. 28.

— «Memorial do Convento: um ano de crítica». In AAVV, José Saramago. Il bagaglio dello scrittore (a cura di Giulia Lanciani). Roma, 1996 pp. 109-119.

 

— «A oralidade da Ficção: Cardoso Pires, Saramago, Olga Gonçalves, Mário de Carvalho». Separata das "actas do Terceiro Congresso" - Associação Internacional de Lusitanistas. 1990/1992. Lisboa. pp. 397-409.

VENTURA, MÁRIO, «Memorial do Convento — o fantástico da realidade», Diário de Notícias, n.o 41 695, 28 de Abril de 1983.

 

VIEIRA, VERGÍLIO ALBERTO. «As Batalhas Fingidas». Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto — Colecção Memória Futura. Porto, 2013 pp. 160-161.

VIÇOSO, VÍTOR, «Desafio ambicioso de Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o520, 23 de Junho de 1992, p. 9.

 

— «José Saramago, Ensaio sobre a Cegueira». Românica - Revista de Literatura do Departamento de Literaturas Românicas - Faculdade de Letras de Lisboa. 1996. Lisboa, Edição Cosmos. pp-203-206.

 

— «Os estranhos desígnios da boa nova: O Evangelho segundo Jesus Cristo de José Saramago», O Romance Português pós-25 de Abril - organização de Petar Petrov. Lisboa. Roma Editora. 2005. pp. 147-158.

VIEGAS, FRANCISCO JOSÉ, «Voar sobre o tempo», Semanário, 6 de Maio de 1989.

— «Uma biografia de Jesus, segundo José Saramago». Revista Ler, n.o 16, Outono de 1991. Lisboa. pp. 26-34.

— «Ensaio sobre a loucura do mundo». Visão, 2 de Novembro de 1995. Lisboa. pp. 95-96.

— «O nome volátil». Diário de Notícias, supl. DNA, 1 de Novembro de 1997. Lisboa. p. 51.

— «Antes de mais: este prémio é para Saramago». Revista Ler, n.o 43, Verão-Outono de 1998.

 

— «Ver e ignorar». Revista Ler. Outono 1995 - nº 32. Lisboa. pp. 28-30.

VILAS-BOAS, MANUEL, «Evangelho de Saramago: “Não é honesto mas é comercial”», O Jornal, n.o 873, 15 de Novembro de 1991, p. 5.

VON BRUNN, ALBERT, «Aus protugiesischer vergangenheit — José Saramago: Memorial do Convento», Neue Züricher Zeitung, Fevereiro de 1983.

— «José Saramago: Das Memorial des Kloster von Mafra», Zurique, Orientierung, n.o 18, Setembro de 1986.

— «Der Stuhl», Zurique, Orientierung, n.o 22, 30 de Novembro de 1995, pp. 247-248.

— «Pessoa und seine Masken. José Saramago: Das Todesjahr des Ricardo Reis», Neue Zürcher Zeitung, n.o 90, 19 de Abril de 1985, p. 39.

WINDER, ROBERT, «Death in Lisboa: a Poet disintegrates», The Independent, 7 de Agosto de 1992.

WHITE, EDMUND, «The subversive proofreader», The New York Times Book Review, 13 de Julho de 1997, p. 11.

WHYMAN, MATTHEW, «More satanic verses», Litterary Review, Setembro de 1993, p. 40.

YONG-JAE, KIM, «O mundo literário de José Saramago», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 100.

 

YVETTE, BIRÓ, «Saramago, az ironikus regényköltő», Holmi Fevereiro 1999, Hungria, Budapeste, pp. 264-267.

ZÉKIANE, STEPHAN, «Prosadores portugueses: José Saramago», Prétexte, n.os 18/19, 1998. Repr. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 98-99.

ZENITH, RICHARD, «Carta de Lisboa», Times Literary Supplement, 23 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 65-68.

ZERLANG, MATIN, «Så til søs!», Copenhagen, Information, 28 de Novembro de 1990, p. 8.  

Notícias e depoimentos

ARIAS, JUAN, «O amor impossível», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de
Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 128-29.

BAPTISTA-BASTOS, «Retratos com palavras. Um homem vem a subir a rua», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 9-11. Também in Tempo Livre, Novembro de 1998.

BENEDETTI, MARIO, «A coragem de José Saramago» (Uruguai), Brecha, 16 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 83-85.

BENITE, JOAQUIM, «Memorial de A Noite», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

CARVALHO, ANTÓNIO, «As rosas fizeram a vez dos cravos», Diário de Notícias, n.o47 316, 9 de Outubro de 1998, p. 5.

CARVALHO, MÁRIO DE, «Um homem tranquilo», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o732, 21 de Outubro de 1998, p. 12.

CONTE, RAFAEL, «Um grande escritor comprometido», Madrid, ABC, 8 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 19-21.

CORTY, BRUNO, «Um Nobel indiscutível. José Saramago, uma obra barroca e subtil», Le Figaro, 9 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 41-42.

COSTA, HORÁCIO «José Saramago é o suco da Barbatana da língua portuguesa», Folha de São Paulo, 10 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 87-89.

COSTA E SILVA, ALBERTO «“Dói-me o mundo”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o737, 30 de 27 Dezembro de 1998.

COUTO, MIA, «A desbagagem do viajante», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

DACOSTA, FERNANDO, «Um “Evangelho” de referência», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 520, 23 de Junho de 1992, p. 9.

DELGADO, PAULO, «O português na Suécia», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de1998, pp. 92-93.

EDITORIAL, «Uma escolha nobre», Copenhaga, Berlingske Tidende, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 54.

ESPMARK, KJELL, «Justificativo do nobel», texto proferido no momento da entrega do galardão. Rep. in Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 15-16.

 

FERNANDES, VANDA MARIA GOUVEIA, «O discurso religioso em O Evangelho segundo Jesus Cristo», Islenha, n.o. 45, Julho/Dezembro de 2009, pp, 57 - 88.

FILIPE, LUÍS, «O último a saber», Visão, Ed. especial Nobel 98, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 8-11.

FO, DARIO, «José Saramago, o meu “herdeiro”», Corriere della Sera, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 35.

FRANÇA, JOSÉ-AUGUSTO, «Meu caro Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 517, 2 de Junho de 1992, p. 10.

FRANZÉN, LARS-OLOF, «Uma escolha segura depois de alguns prémios polémicos», Estocolmo, Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 14-16.

FUENTES, CARLOS, «Saramago em Jalisco», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 94-95.

GOYTISOLO, JUAN, «José Saramago», Badajoz, Espacio/Espaço escrito, n.o 9 y 10, Inverno de 1993/94, pp. 8 1-82.

GRILO, JOÃO MÁRIO, «A obra explica o autor», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 21.

— «Sah-rah-mah-go», Visão, n.o 291, 15 de Outubro de 1998, p. 114.

GUSTAFSSON, MADELEINE, «A inspiração decorre da voz interior», Estocolmo, Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 16-17.

KARACS IMRE, «Grande favorito ganha Prémio Nobel da Literatura», Londres, The Independent, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 62-63.

LEME, CARLOS CAMÂRA, «Os diálogos de Lanzarote», Público, n.o 2519, 3 de Fevereiro de 1997, pp. 22-23.

LOPES, ÓSCAR, «Luz e cegueira», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

LOURENÇO, EDUARDO, «A mão esquerda de Deus...», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

— «A noite dos Reis», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 17-18.

MARCELO, J. J. ARMAS, «Saramago ou a profecia de Todos os Nomes», ABC, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 21-22.

MARTINS, ADRIANA ALVES DE PAULA, «Memorial do Convento: palimpsesto de uma história não oficial»,Vila Real, Boletim Cultural da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, n.o 2, Agosto de 1991.

MATA, INOCÊNCIA, «Um Nobel plural», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, p. 24.

MELO, ANTÓNIO, «Álvaro Cunhal sobre o seu camarada José Saramago: “Muito original e não me parece fácil de imitar”», Público, ed. Lisboa, n.o 3130, 9 de Outubro de 1998, p. 7.

MENDES, JOSÉ MANUEL, «Uma rosa à beira-neve», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, p. 18.

MONTERO, GARCIA LUÍS, «Contra a corrente», El Mundo, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro Dezembro de 1998, pp. 32-33.

MORENO, RICARDO e MORA, ROSA, «Saramago logra el primer Nobel en portugués», El País, n.o 7817, 9 de Outubro de 1998, p. 42.

MOSS, STEPHAN, «Parábolas das políticas do poder em Portugal ganham Prémio Nobel», Londres, The Guardian, 9 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 69-70.

PACHECO, FERNANDO ASSIS, «A ilha de Saramago», Visão, n.o 1, 25 de Março, 1993, pp. 80-83. Repub. no n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 28-30.

PASTOR, ALEXANDRE, «Um prémio a contento de todos», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 6.

PEPETELA, «Dar cara à luta», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

PROENÇA, HÉLIO, «O prémio Nobel», Artes & Artes, n.o 15, Novembro de 1998, p. 7.

QUEIRÓS, MIGUEL LUÍS, «A Jangada de Pedra é um romance falhado», Público, supl. Cultura, 13 de Abril de 1992, p. 35.

RAMIREZ, SÉRGIO, «D. José», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 96-97.

REIS, CARLOS, «Palavras para uma homenagem nacional», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 101-104.

— «Saramago: o efeito Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998. pp. 22-23.

ROBERTS, MARTIN, «O Mexicano Fuentes louva Prémio Nobel de Saramago» (Tailândia), Bangkok Post, 10 de Outubro de 1998. Repr. iN Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 76.

S/N, «Homenagens de todo o mundo», Dagens Nyheter, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 13-14.

S/N, «A José Saramago, primeiro Nobel de literatura atribuído a Portugal» (Grécia), I Kathimerini, 11 de Outubro de 1998. Repr. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 58.

S/N, «O português premiado», O Estado de São Paulo, 10 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro Dezembro de 1998, pp. 89-90.

S/N, «Como é na realidade a Lushan Mountain» (China), Beijing Evening News, 17 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, p. 78.

S/N, «Saramago no “index” da SEC», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 513, 5 de Maio de 1992, p. 3.

S/N, «Saramago aceita prémio mas dinheiro vai para os PALOP», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 520, 23 de Junho de 1992, p. 8.

S/N, «José Saramago, Nobel laureate: a tribute to José Saramago, 1998 Nobel Literature Laureate», The American Association of Teachers of Spanish, Hispánia, vol. 82, n.o 1, Março de 1999.

SALMAURY, MOAMED, «Saramago e a comunidade dos cegos» (Egipto), Al-Ahram Hebdo, 28 de Outubro de 1998. Rep. de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 71-73.

SEIXO, MARIA ALZIRA, «O essencial e o circunstancial. Uma harmonia», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 14-15.

TELES, VIRIATO, «Saramago: autor do século XVIII», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 41 412 de Junho de 1990, p. 30.

TELLES, LÍGIA FAGUNDES, «Há muito que Deus se agrada das tuas obras», Jornal de Letras, Artes e Ideias, 14 de Outubro de 1998, p. 12.

TORRES, ALEXANDRE PINHEIRO, «A sorte grande», Público, ed. Lisboa, n.o3130, 9 de Outubro de 1998, p. 6.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «No reino de Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 736, 16 de Dezembro de 1998, pp. 8-9.

— «José Saramago, Prémio Nobel», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 2.

VICENT, MANUEL, «Saramago», El País, 11 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 31-32.

VIEIRA, ALICE, «Crónica de um Nobel (não) anunciado », Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 5.

VILA-MATAS, ENRIQUE, «O ritmo Antigo», El País, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, p. 30.

ZOON, CEES, «O mundo é infinitamente cruel e sem engagement», Amsterdam, De Volkskrant, 9 de Outubro de 1998. Rep. in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 50-52.

Notas sobre espectáculos teatrais e musicais

AZEVEDO, MANUELA, «Que Farei com Este Livro?», Diário de Notícias, 24 de Outubro de 1980.

BARBAS, HELENA, «Em nome de Saramago», O Independente, 2 de Abril de 1993, pp. 54-55.

BRAMANI, LIDIA, «La nuova opera di Corghi», Ricordi oggi, n.o 2, Setembro de 1993, p. 5.

CARVALHO, MÁRIO VIEIRA DE, «Blimunda ou a paixão de Baltazar, segundo Scarlatti», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 411, 29 de Maio de 1990, pp. 22-23.

— «Blimunda e Divara», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 732, 21 de Outubro de 1998.

 

CEROL, MARIA JOÃO, «O Bando - Processo de Construção do Ensaio sobre a Cegueira». Lagos, Inéditos / 60, Novembro 2011.

FOLETTO, ANGELO, «Il volo folle di Blimuada», La Repubblica, 22 de Maio de 1990.

— «Lazzaro miracolo ia note», La Repubblica, 14 de Abril de 1995, p. XVI.

KRETER, SABINE, «Die polygamistenn im Neuen Jerusalem», Frankfurter Allgemeine Zeitung, 11 de novembro de 1993.

LUÍS, SARA BELO, «Memorial do Convento em teatro: as figuras de Saramago», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 747, 19 de Maio de 1999, p. 5.

MAIA, MARIA ARMANDINA, «Blimunda, o Orfeo no feminino ou passagem de Blimunda por Itália», Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro/Dezembro de 1998, pp. 105-107.

MANZONI, TERESA, «E a palavra se fez música», Jornal de Letras, Artes e Ideias, ed. extra Prémio Nobel, n.o 731, 14 de Outubro de 1998, p. 18.

MENDES, JOSÉ MANUEL, «Blimunda (um breve adágio pessoal)», Letras & Letras, n.o 49, 19 de Junho de 1991, p. 9.

PASI, MARIO, «Canta Blimunda dal fascino crudele», Corriere della sera, 22 de Maio de 1990.

PETAZZI, PAOLO, «Quel terribile assedio di Münster», L’ Unitá, 7 de Novembro de 1993.

POLACZEK, DIETMAR, «Die Lusitanische flugmaschine», Frankfurter AllgemeineZeitung, n.o 121, 26 de Maio de 1990, p. 29.

PORTO, CARLOS, «Teatro: Memorial do Convento», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 748, 2 de Junho de 1999, p. 37.

REBELLO, LUIZ FRANCISCO, «E o dramaturgo?», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 737, 30 de Dezembro de 1998, p. 18.

REININGHAUS, FRIEDER, «Taufwasser mit ketzerblut», Süddeutsche Zeitung, 16 de Novembro de 1993.

S/N, «José Saramago: Blimunda nome com música», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 410, 15 de Maio de 1990, p. 29.

SCHEUERMANN, STEFAN, «Em nome de Saramago», exclusivo Público/El País, in Público, 12 de Novembro de 1993.

STRUCK-SCHLOEN, MICHAEL, «Die vergewaltigung einer lehre», Die Zeit, n.o 45, 5 de Novembro de 1993.

TEDESCHI, RUBENS, «Blimunda, strega rivoluzionaria», L’Unitá, 22 de Maio de 1990.

VENÂNCIO, FERNANDO, «Divara, a ópera de Azio Gorghi/José Saramago. A dança dos pervertidos», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 592, 9 de Novembro de 1993, pp. 8-9.

VIANA, MÁRIO, «Os heróis deslocados de José Saramago», Estado de São Paulo, 21 de Junho de 1998.

VIDA, JOAQUÍN, «Saramago: Un compromiso ético en una estructura teatral medrosa», Madrid, Primer Acto, n.o 26 Setembro-Outubro de 1996, pp. 62-63.  

Entrevistas

ALAMEDA, SOL, «José Saramago», El País, supl. El País Semanal, n.o 1157, 29 de Novembro de 1998, pp. 14-22.

— «José Saramago. El deber de ser portugués», El País, supl. El País Semanal, n.o 628, 23 de Abril de 1989, pp. 24-30.

ALVES, CLARA FERREIRA, «José Saramago todos os pecados do mundo», Expresso, a revista, n.o 1200, 28 de Outubro de 1995, pp. 80-86.

— «Saramago numa jangada de pedra», Lisboa, Contraste, n.o 5, Junho de 1986.

— «Saramago: “No meu caso, o alvo é Deus”», Expresso, a revista, 2 de Novembro de 1991, pp. 82-87.

— «José Saramago. Uma certa ideia da Europa», Expresso, a revista, 7 de Agosto de 1993, pp. 26-29.

ALVES, CLARA FERREIRA, BELARD, FRANCISCO e SEABRA, AUGUSTO M., «A felicidade de ser ibérico», Expresso, a revista, 8 de Novembro de 1986, pp. 36-39.

AMANTE, NINO, «Spettatore nella bufera», Palermo L’ Ora, 6 de Dezembro de 1985.

AMAYA, FABIO RODRIGUEZ, «La veritá é barocca», L’ Unitá, 3 de Setembro de 1986.

BLANCO, MARIA LUÍSA, «O poder pode dormir descansado», Cambio 16, n.o 1133, 9 de Agosto de 1993, pp. 40-42.

CAIRO, CARLOS VILLANES, «José Saramago: poética, deuda y compromiso», Madrid, Delibros, n.o 115, Novembro 1998, pp. 48-49.

CARVALHO, ANA MARIA F. DE, «Portugal e Brasil, desunião cultural», São Paulo, Pau Brasil, n.o II, Março-Abril de 1986.

CARVALHO, MÁRIO VIEIRA DE, «José Saramago, a próposito de Objecto Quase. “Todo o real é inquietante”» Diário de Lisboa, 1 de Junho de 1978, p. 10.

CARVALHO, J. RENTES DE, «We zullen ia flinterduane plakjes worden gesneden», Amsterdam, De Volkskrant, supl. cultural, 10 de Março de 1989, p. 3.

CASTELLO, JOSÉ, «“A gente, na verdade, habita a memória», O Estado de São Paulo, supl. Caderno 2, n.o 3513, 21 de Setembro de 1996, pp. 4-5.

COIMBRA, SÉRGIO (conversa entre José Saramago e Padre António Vaz Pinto): «Por amor de Deus.», Vida 3, supl. de O Independente, n.o 186, 6 de Dezembro de 1991, pp. 18-23.

CORREIA, ALEXANDRE, «José Saramago em discurso directo: “Sou a pessoa mais banal deste mundo”», Lisboa, NT («Centrais»), 23 de Maio de 1984.

CORREIA, PEDRO, «A vida é um romance», Lisboa, Tempo, 7 de Dezembro de 1984.

CORTES, CORTES FERNANDO, «José Saramago. El compromiso», Frontera, n.o 4, Outuno de 1988, pp. 45-50.

COSTA, JORDI, «La Isla Iberica. Entrevista con José Saramago», Quimera, n.o59, [s/d].

COURI, NORMA, «“Cristo foi um mártir com culpas”», Jornal do Brasil, supl. Idéias/Livros, 2 de Novembro de 1991, pp. 6-7.

— «“1936 era o ovo da serpente”», Jornal do Brasil, supl. Idéias, n.o 107, 15 de Outubro de 1988, pp. 6-7.

CRUZ, JUAN, «“la fama me permite llegar más cerca de las personas”», El País, n.o 7817, 9 de Outubro de 1998, pp. 46-47. Trad. parte do artigo in Expresso, 10 de Outubro de 1998, p. 13.

DACOSTA, FERNANDO, «José Saramago: “Escrever é fazer recuar a morte, é dilatar o espaço da vida”», Jornal de Letras, Artes e Idéias, n.o 50, 18 de Janeiro de 1983, pp. 16- 17.

DEL BARRIO, LUÍS MIGUEL, «José Saramago: “No creo en Dios pero considero que las religiones han construido el mundo”», ABC, 23 de Maio de 1993, p. 95.

DURAN, CRISTINA, «In nomine Dei», Jornal da Tarde, 24 de Julho de 1993.

DURAN, JAVIER, «“Temo que los derecho humanos queden condicionados por la burocracia total”», La Vanguardia, 10 de Maio de 1998.

FANO, NICOLA, «Il Portogallo immaginario», L’Unitá, 25 de Abril de 1985. — «Portogallo, la mia isola che non c’é», L’Unitá, 12 de Abril de 1991.

GARCIA, JOÃO, «Saramago: o escritor não quer ser cercado», O Jornal, supl. O Jornal Ilustrado, n.o 739, 21 de Abril de 1989, pp. 42-45.

GASTÃO, ANA MARQUES, «A doença da razão», Diário de Notícias, supl. Artes, 28 de Outubro de 1995, pp. 28-29.

GAUDEMAR, ANTOINE DE, «Saramago concede um prémio ao Nobel», Libération, 6 de Novembro de 1998. Rep.de parte do artigo in Camões, Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.o 3, Outubro-Dezembro de 1998, pp. 42-44.

GÓMEZ, JOSÉ MARTI, «José Saramago: “La felicidad es tan sólo una invención para hacer la vida más soportavel”», Barcelona, La Vanguardia, 25 de Fevereiro de 1986.

GÓMEZ, JOSÉ MARTI, RAMONEDA, JOSEP, «José Saramago, un discurso solitario», La Vanguardia, 13 de Outubro de 1987.

GONÇALVES, ANTÓNIO FILHO, «Saramago escreve a parábola da indiferença», O Estado de São Paulo, 18 de Outubro de 1995.

GUSMÃO, MANUEL, «Entrevista com José Saramago», Vértice, n.o 14, Maio de 1989, pp. 85-99.

IBORRA, JUAN RAMÓN, «José Saramago: Y el hombre creó a Dios», El Dominical, 18 de Novembro de 1990, pp. 8-14.

 

— «Confesionario: 25 entrevistas y un prólogo de Manuel Vázquez Montalbán» (entrevistas: "Y el hombre creó a Dios" e "Desde el volcán"). Espanha, Barcelona, Ediciones B, 2001.

JABOR, ARNALDO, «José Saramago defende literatura “sincera”», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 15 de Agosto de 1992, p. 4.

JINKINGS, IVANA, «Saramago. Deus é o grande vilão», Brasil Agora, n.o 17, 15 Junho de 1992, pp. 17-19.

JITRIK, NOÉ, «Conversacióa en La Habana», Revista de la Biblioteca de México, n.o 11-12, Setembro de 1992.

LARCHEN, FREDERIC, «Images mythiques et identité», Art et Culture, Setembro de 1991, p. 9.

LETRIA, JOSÉ JORGE, «José Saramago fala de Memorial do Convento — “A língua que uso nos romances faz corpo com aquilo que conto”», o diário, supl. cultural, n.o 2213, 21 de Novembro de 1982, pp. 6-7.

MARCOALDI, FRANCO, «Lisbona a voce alta», La Repubblica, supl. Cultura, 17 de Março de 1992.

MARRONE, GIANFRANCO, «“Portogallo mio, tra Europa e Terzo Mondo”», Palenno, Giornale da Sicilia, 10 de Dezembro de 1985.

MOLINA, CESAR ANTÓNIO, «“Toda mi obra es una meditación sobre el error”», Diario 16, supl. Cultura, 7 de Abril de 1990, p. 21.

— «José Saramago: “Los vínculos de Portugal coa una España federativa provocarían una revisíon total de la relacíon”», Diario 16, supl. Cultura, 11 de Fevereiro de 1989, pp. 1-3.

MORENO, SEBASTIAN, «“Si fue dios quien me inspiró esta novela, se arrepentirá”», Tiempo, 18 de Maio de 1992, pp. 176-178.

NETTO, ARAÚJO, «A saga dos Mau-Tempo: O descobrimento do Macondo Português», Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 21 de Maio de 1983.

NIGRO, RAFFAELE, «Io, Saramago Nobel nel mare dell’utopia», La Gazzetta del mezzogiorno, 9 de Outubro de 1998, p. 17.

NUNES, MARIA LEONOR, «José Saramago. O escritor vidente», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 653, 25 de Outubro de 1995, pp. 15-17.

PEDROSA, INÊS, «José Saramago: “A Península Ibérica nunca esteve ligada à Europa”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 227, 10 de Novembro de 1986, pp. 24-26.

PIMENTA, ÂNGELA, «Na rota da latinidade», Folha de São Paulo, 2 de Dezembro de 1986.

PLAZA, J. M., «José Saramago: “Entre la España y Portugal ha habito una desconfianza mutua que comienza a desaperecer”», Madrid, Diario 16, 20 de Fevereiro de 1986.

PONTIERO, GIOVANNI, «Interview with José Saramago», PN Review, vol. 16, n.o 4, 1989.

RATTNER, JAIR, «Companhia das Letras lança livro de Saramago sobre Jesus Cristo», Folha de São Paulo, supl. Ilustrada, 27 de Outubro de 1991.

REIS, CARLOS, «Diálogo inédito: O momento decisivo», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 16-17.

RODRIGUES, ANTÓNIO, «Saramago defende Ensaio sobre a Cegueira», A Capital, 2.a série, n.o 8672, 4 de Novembro de 1995, pp. 22-23.

RODRIGUEZ, JUAN MARIA, «José Saramago. El ojo en la lupa», Diario 16, 1 de Setembro de 1991, Cultura, p. 42.

RODRIGUES-AMAYA, FABIO, «La veritá é barocca», L’Unitá, 3 de Setembro.

S/N, «José Saramago: a escrita narcísica por excelência», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 613, 13 de Abril de 1994, pp. 4-5.

S/N, «A mais necessária das palavras», Porto Alegre, Zero Hora, 12 de Abril de 1997, pp. 4-5.

S/N, «“Estou ao meio daqueles que não contam a vidinha”», Belo Horizonte, Suplemento Literário Minas Gerais, n.o 1102, 16 de Julho de 1988, pp. 8-10.

S/N, «Entrevistas ao JL: um escritor confessa-se», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 731, ed. extra Prémio Nobel, 14 de Outubro de 1998, pp. 24-27.

S/N, «Discurso directo: as palavras do viajante», Visão, n.o 290a, 9 de Outubro de 1998, pp. 18-19.

SALVADOR; JOSÉ A. e SILVA, RODRIGUES DA, «O autor está triste quando escreve sobre a tristeza de há 50 anos», Diário Popular, n.o 14 562, 7 de Dezembro de 1984, pp. 28-29.

SAMPAIO, ERNESTO, «Parece mal que o escritor viva do que escreve», Lisboa, Ler e Escrever, n.o 241, 20 de Fevereiro de 1986.

SANTA CECÍLIA, CARLOS G., «José Saramago recrea la construcción de un convento en el Portugal del siglo XVIII», El País, 20 de Fevereiro de 1986.

SEABRA, AUGUSTO M., «José Saramago: o regresso de Ricardo Reis», Expresso, a revista, 24 de Novembro de 1984, pp. 3 1-34.

SEPÚLVEDA, TORCATO, «Deus quis este livro», Público, ed. Lisboa, n.o 608, 2 de Novembro de 1991, pp. 28-29.

— «José Saramago: “O homem não tem remédio”», Público, ed. Lisboa, 4 de Janeiro de 1991, pp. 10-11.

— «José Saramago critica responsáveis da cultura: “É a terceira vez que sou censurado”», Público, 10 de Maio de 1992, pp. 40-41.

SERRA, ELÍAS, e PLANELLS, JOSÉ, «José Saramago: um pessimista positivo», Lisboa, Boca Bilingue, n.o 8, Janeiro 1993, pp. 4-15.

SILVA, RODRIGUES DA, «O homem faz-se a si próprio», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 690, 26 de Março de 1997, pp. 11-14.

STERN, IRWIN, «A conversation with José Saramago», Camões Center Quarterly, vol. 5, n.o 3-4, 1995, pp. 48-55.

SUCKMAN, HUGO, «Consciência às cegas», O Globo, 18 de Outubro de 1995.

 

THURAH, THOMAS, «Historien er ikke slut - Samtaler med 36 europæiske forfattere», pp. 69 - 78 "Men vi er hér i dag". Dinamarca, Gyldendal, 2001.


TOCCO, VALERIA, e CASTANHINHO, JOSÉ ARLINDO (a cura di), «I Vangeli riscritti da un ateo: Incontro con José Saramago», Linea d’ombra, n.o 79, Fevereiro de 1993, pp. 61-65.

VALE, FRANCISCO, «José Saramago sobre o Ano da Morte de Ricardo Reis: “Neste livro nada é verdade e nada é mentira», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 121, 30 de Outubro de 1984, pp. 2-3.

VALLORA, MARCO, «Saramago librettista di se stesso», 1l Giornale, 15 de Maio de 1990.

VASCONCELOS, JOSÉ CARLOS DE, «José Saramago: “Gosto do que este País fez por mim”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 354, 18 de Abril de 1989, pp. 8-10.

— «José Saramago: “Deus é o mau da fita”», Jornal de Letras, Artes e Ideias, n.o 487, 5 Novembro de 1991, pp. 8-10.

VIEGAS, FRANCISCO JOSÉ, «José Saramago: “Olho as coisas pela primeira vez”», Ler, n.o 6, Primavera 1989, pp. 15-21.

— «José Saramago on himself and the world». In A voice against the silence. Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 30-39.

— «Alguns dos nomes de José Saramago». In Uma Voz contra o Silêncio, Lisboa: Caminho/ICEP/IPLB, 1988, pp. 30-39 (versão inglesa, in A voice against the silence).

VOLTERRANI, EGI, «Lettore, la veritá é un gioco», 1l Mattino, supl. Cultura, 14 de Outubro de 1990, p. 19.

WITTWER, ERIKA, «“Ich will kein europäer werden. Ich bin Portugiesisch”», Tages Anzeiger, 25 de Setembro de 1989, p. 13.

XAVIER, LEONOR, «José Saramago defende: Existe uma nova relação entre o escritor e o público», Diário de Notícias, supl. cultural, 30 de Abril de 1989, pp. 5-7.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Fundação Saramago às 15:51





Em Destaque

Ver todas as notícias

Amigos da Fundação José Saramago


Livraria/Loja da Fundação José Saramago


Sons da Fundação


Ainda

Ver todas as notícias

Blimunda


Serviço educativo



A Fundação
Somos o que diz o papel que José Saramago assinou em Lisboa em 29 de Junho de 2007. Somos a Fundação José Saramago.
Saber mais | E-mail

Pesquisa

Pesquisar no Blog  

A Casa dos Bicos

A Casa dos Bicos, edifício histórico do século XVI situado na Rua dos Bacalhoeiros, em Lisboa, é a sede da Fundação José Saramago.

A Casa dos Bicos pode ser visitada de segunda a sábado, das 10 às 18h (com última entrada às 17h30).
Ler mais


A Casa José Saramago em Lanzarote

A Casa feita de livros pode ser visitada de segunda a sábado, das 10 às 14h30. Também pode percorrê-la virtualmente, aqui.

Receba a nossa newsletter


#saramago no Twitter



Arquivo mensal

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Subscrever por RSS


TripAdvisor

Parceiros institucionais:

Parceiro tecnológico:

Granta