Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

En Español

"E agora?" - pergunta Mário Soares

Terça-feira, 05.03.13

A manifestação de sábado passado que envolveu quarenta cidades portuguesas e ainda alguns dos nossos emigrantes de França, de Inglaterra e de Espanha, teve como resposta o silêncio total do Governo e da Troika. Foi o melhor que fizeram. Ficaram escondidos e sem palavras. Tudo o que dissessem só agravaria a situação. Porque o “Povo é quem mais ordena”. E o Governo perdeu a legitimidade democrática, porque não tem sensibilidade quanto aos que sofrem e não ouve ninguém.

De resto, o Governo, raramente diz o que faz, nunca definiu uma estratégia clara para combater a crise e nunca se deu ao trabalho de explicar aos portugueses porque insiste na austeridade, que só nos conduziu à desgraça. É a palavra.
O Governo continua alegremente a roubar as pensões dos portugueses, que nunca pertenceram ao Estado, nem muito menos ao Governo, dado que anos a fio os portugueses descontaram para garantir o seu futuro e dos seus filhos. Não falando nos impostos, a aumentarem sempre, as vendas a retalho – como? E porquê? – do nosso património.
Que tem isto – e tantas outras pseudo-reformas – a ver com a Democracia? Claro que nada.
Por isso, este Governo não é legítimo nem democrata. Pelo contrário, está contra o Povo, é inimigo dos pobres, está a destruir a classe média, acha que as melhoras cabeças, saídas das nossas excelentes Universidades (que aliás o Governo está a pôr em dificuldades) devem emigrar.
É um Governo que está a destruir Portugal, ignorando a Democracia, visto que não dialoga nem ouve o Povo. Por isso se tornou ilegítimo. Só sai à rua, rodeado de seguranças. Dos militares aos médicos, dos sindicalistas aos professores, dos intelectuais aos mais pobres, todas as classes -  até os mais abonados – estão contra o Governo, com a única exceção dos “papagaios” que o servem e se servem.
O Governo tem de demitir-se. Esta é a boa oportunidade para o fazer, antes que o Tribunal Constitucional se pronuncie, os portugueses se enfureçam e a Democracia desapareça, porque os Partidos também estão todos a ser criticados. Porque se não for a bem – enquanto o “Povo é sereno” – será a mal, com o Povo indignado, como sucedeu no fim da Monarquia…
Mário Soares
(in jornal Público no dia 4 de março de 2013)
Foto: Tiago Miranda/Expresso

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Fundação Saramago às 10:27





Em Destaque

Ver todas as notícias

Amigos da Fundação José Saramago


Livraria/Loja da Fundação José Saramago


Sons da Fundação


Ainda

Ver todas as notícias

Blimunda


Serviço educativo



A Fundação
Somos o que diz o papel que José Saramago assinou em Lisboa em 29 de Junho de 2007. Somos a Fundação José Saramago.
Saber mais | E-mail

Pesquisa

Pesquisar no Blog  

A Casa dos Bicos

A Casa dos Bicos, edifício histórico do século XVI situado na Rua dos Bacalhoeiros, em Lisboa, é a sede da Fundação José Saramago.

A Casa dos Bicos pode ser visitada de segunda a sábado, das 10 às 18h (com última entrada às 17h30).
Ler mais


A Casa José Saramago em Lanzarote

A Casa feita de livros pode ser visitada de segunda a sábado, das 10 às 14h30. Também pode percorrê-la virtualmente, aqui.

Receba a nossa newsletter


#saramago no Twitter



Arquivo mensal

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


TripAdvisor

Parceiros institucionais:

Parceiro tecnológico:

Granta